Os Homens Que Não Amavam As Mulheres

 

Baseado na trilogia Millennium, do escritor Stieg Larsson, já teve a versão sueca filmada dos três livros, todos em 2009: Millennium I-Os Homens Que Não Amavam As Mulheres, Millennium II-A Menina Que Brincava com Fogo e Millennium III-A Rainha do Castelo de Ar.

Agora chegou a vez de Hollywood: Os Homens Que Não Amavam As Mulheres (The Girl With The Dragon Tattoo-2011), com Daniel Craig (007 Quantum of Solance e Um Ato de Liberdade) no papel do jornalista Mikael Blomkvist e Rooney Mara (A Hora do Pesadelo e Um Por Todas e Todas Por Um) no papel de Lisbeth Salander.

Mikael acaba de ser condenado por difamação após publicar em sua revista Millennium um artigo sobre os prováveis crimes do rico e influente empresário Eric Wennerström (Ulf Friberg). Desacreditado e com todo seu dinheiro empenhado para pagar a indenização imposta pelo juíz, Mickael recebe o contato de Dirch (Steven Berkoff, de Filhos de Duna e Três Vidas e Um Destino), assistente pessoal de um dos maiores empresários da Suécia, Henrik Vanger (Christopher Plummer, de Alexandre e Uma Mente Brilhante), para um serviço particular.

 

Henrik propõe que Mikael se mude para a ilha da família, com a desculpa de escrever sua biografia, aproveitando a necessidade de se ausentar devido a repercussão de seu caso. Mas a real tarefa de Mikael é investigar sobre o desaparecimento de sua sobrinha Harriet há 40 anos atrás. Desconfiado que alguém de sua própria família a tenha matado, suas próprias investigações e da polícia nunca deram em nada.

Agora, pressintindo o final da vida, quer uma resposta para sua dúvida. O negócio da família, apesar de decadente, sempre foi um dos maiores da Suécia. Com o afastamento de Henrik quem está no comando agora é o irmão de Harriet, Martin (Stellan Skarsgård, de Thor e Mamma Mia!), a quem ele considera o único confiável na família.

Aceitando o trabalho e percebendo o tamanho da tarefa, Mikael solicita um assinste e prontamente recebe de Dirch a indicação de Lisbeth quem, inclusive, levantou todas as informações da vida de Mikael para Henrik, antes dele ser contratado.

 

A revisão de todas as informações levantadas sobre o caso e a busca por novas informações sobre o paradeiro de Harriet vão se desenrolando de forma intensa e as mais de duas horas e meia de filme passam desapercebidas. A diferença entre as versões sueca e americana está principalmente nas partes esclarecidas ou não.

No primeiro filme, alguns detalhes extras são incluídos, como o julgamento de Mickael e a situação de Lisbeth até se tornarem parceiros. No segundo, alguns detalhes são suprimidos e parte do que é desvendado no Millennium II sueco já é apresentando na versão americana, assim como o destaque ao personagem de Lisbeth também é maior.

Uma história incrível, muito bem costurada, que ganha mais uma versão para as telonas conquistando seu lugar na história do cinema, com 5 indicações no Oscar 2012. Direção de David Fincher, mesmo diretor de O Curioso Caso de Benjamin Button e Alien 3.

Comente este artigo