Reis e Ratos

O cinema nacional mostrando muita criatividade, histórias contadas de formas diferentes, para nossa diversão, é claro. ‘Reis e Ratos’ (2012), do diretor Mauro Lima (Meu Nome Não É Johnny e Tainá 2: A Aventura Continua), foi ambientado no início da década de 1.960 para contar uma versão do que acontecera antes do golpe militar ao governo do Brasil.

O centro da história é a trama para derrubar o ‘Presidente Pavão‘ e beneficiar politicamente a relação comercial Estados Unidos – Brasil, mais interessante aos gringos, aliás.  O plano é elaborado e executado pelo agente do FBI erradicado no Brasil, Troy Somerset (Selton Mello, de O Palhaço, A Mulher Invisível e Jean Charles). Seu principal aliado é o Major Esdras (Otávio Müller, de A Mulher do Meu Amigo), piloto da aeronáutica que usa de sua influência e contatos para arranjar parceiros. Troy é casado com Leonor (Paula Burlamarqui), sedutora e excelente vendedora na loja de calçados que serve como fachada para o agente.

Aproveitando-se da fraqueza do Presidente por mulheres, usam o malandro Roni Rato (Rodrigo Santoro, de O Golpista do Ano e Che 2: A Guerrilha) para convencer a crooner Amélia Castanho (Rafaela Mendelli, de Meu Nome Não É Johnny) para seduzí-lo. Além disso, querem usar seu outro amante, um fazendeiro caipira, como bode expiatório para matar o ‘Pavão’. Entre erros e acertos, o radialista Hervê (Cauã Reymond, de Estamos Juntos e À Deriva) tem momentos como medium em pleno ar, justamente revelando hora e local onde os atentados planejados vão acontecer, frustrando as tentativas de Troy e Esdras.

A necessidade de queima de arquivos vai esquentando e onde essa trama vai parar fica difícil adivinhar. Uma história de conspiração, planos mirabolantes, flagras de traições e política, tudo visto de uma forma sutilmente engraçada e, por que não, estereotipada e escrachada. A fotografia dividida entre o ‘preto e branco’ e o colorido dá o charme como filme de época e histórico. Com participações de Seu Jorge, Bel Kutner, Kiko Mascarenhas, Élcio Romar, Helio Ribeiro e Marcelo Adnet.

Comente este artigo