Anônimo

A história do homem que se tornou umas das maiores referências da literatura mundial, através de suas peças teatrais inconfundíveis e seus versos, é retratada de uma forma diferente em Anônimo (Anonymous-2011). Nessa história, Edward de Vere (Rhys Ifans, de Hannibal: A Origem do Mal e Piratas do Rock) é o Conde de Oxford da corte da Inglaterra. Sua paixão pela literartura, poesia e peças de teatro não é aceita pela família dos Cecil, nobres conselheiros da coroa que repudiam a arte das palavras, entre eles o patriarca William Cecil (David Thewlis, de Harry Potter e As Relíquias da Morte Parte 2 e Veronika Decide Morrer).

 

Em meio à política e uma história de envolvimento secreto com a própria rainha Elizabeth I (Vanessa Redgrave, de A Informante e Cartas Para Julieta), Edward se vê obrigado a entregar sua obra à confiança de um dramaturgo ainda desconhecido, Ben Jonson. (Sebastian Armesto, de Maira Antonieta e O Brilho de Uma Paixão). Edward quer que ele assuma a autoria de suas peças, mediante uma boa recompensa e para que elas possam ser atuadas para o público. Por sua vez, Ben também tem receio e acaba deixando a autoria das peças nas mãos de um jovem ator que nada entendia de escrita: William Shakespeare (Rafe Spall, de Um Bom Ano e Juventude Rebelde).

 

Mas as peças de Edward não são apenas arte. Ele utiliza seus textos para espalhar na população a consciência pelas jogadas políticas que envolvem o reino, principalmente pela família Cecil, que utilizam de negociatas e segredos pessoais da rainha, principalmente quando jovem (Joely Richardson, de Mimzy: A Chave do Universo e O Segredo de Shoreditch) para sobrepor seus próprios interesses.

 

Com a Inglaterra do século XVI de pano de fundo, Roland Emmerich (10.000 a.C. e O Dia Depois de Amanhã) mostra uma versão muito interessante da história de William Shakespeare e como as peças mais famosas e encenadas do mundo foram deixadas como herança para as gerações futuras.

Comente este artigo