Tirando a Sorte Grande

O sonho de todo jogador de roleta é ganhar uma grana alta. Mas para Gonzalo Pelayo (Lluís Homar, de Abraços Partidos e Perigo Real) é muito mais que isso: é quebrar um cassino jogando honestamente na roleta. Esse é o projeto de uma vida inteira, de tornar-se parte da história através de um método de apostas baseado em pequenas falhas que viciam as roletas em determinados números.

 

Para tornar realidade seu estudo, ele convoca seu filho Iván (Daniel Brühl, de Bastardos Inglórios e 2 Dias em Paris) para montar um time de apostadores com outros membros da família.  Ivan convoca os primos Alfredo (Miguel Ángelo Silvestre) e Marcos (Orion Vila), e seu tio Balón (Vicente Romero), cunhado de Gonzalo. Juntos farão apostas durantes dias, semanas a fio, num jogo de extrema paciência para provar que o método dos Pelayos é capaz de desbancar qualquer cassino.

 

Só que a empreitada dos Pelayos chama a atenção do gerente do cassino (Eduard Fernández) que definitivamente não vai aceitar ter um cassino sob sua responsabilidade quebrando por um grupo de, segundo ele, trapaceiros pés-de-chinelo. Os Pelayos terão que enfrentar suas próprias dúvidas enquanto evitando as investidas do cassino para impedí-los de ganhar na roleta.

 

Uma produção Espanhola dirigida por Eduard Cortés, na mesma linha do filme ‘Quebrando a Banca‘, ‘Tirando a Sorte Grande’ (The Pelayos-2012) tem uma ótima história mostrando que uma família pode se unir para provar as mais desacreditadas teorias de um velho apostador.

Comente este artigo