JULIETA – “Humano, demasiadamente humano”

“Julieta”, o mais novo filme de Pedro Almodóvar, estreia em outubro em DVD.adriana_emma

Um drama denso, inspirado em três contos da canadense Alice Munro, vencedora do Nobel de Literatura em 2013.

Almodóvar, que conhece bem o universo feminino, tema de vários de seus filmes, novamente coloca a mulher como principal protagonista, trazendo a figura de uma mãe que foi abandonada pela filha.

A história acompanha a trajetória de Julieta, interpretada por duas atrizes, Adriana Ugarte e Emma Suárez, respectivamente na juventude e maturidade. A jovem, linda e cheia de esperanças, que vive uma noite de amor com o sedutor Xoan em um trem, engravida e se casa, mas algo paira sobre seu destino e nos antecipa, de algum modo, o futuro trágico que a espera.

Um golpe do destino tira Xoan da vida de Julieta e da filha, Antía, ainda menina. Vivendo na mesma casa, distanciadas por sentimentos não ditos, ambas sofrem a dor silenciosa da perda, como se o peso de um segredo esmagasse a mãe e a filha. Quando Antía completa 18 anos, parte para um retiro espiritual, de onde segue para local desconhecido e não retorna; simplesmente abandona a mãe, sem dar mais notícias. Julieta não entende o que teria levado Antía a tomar uma decisão tão radical e, a partir desse momento, começa a buscar pistas. Aos poucos, ela entende o quanto desconhecia a própria filha, o quanto a dor pela morte do marido a impediu de ser mãe. Após 12 anos sem nenhum contato com Antía, Julieta se encontra por acaso com uma amiga de adolescência da filha, que lhe aponta um caminho.

Entre a amargura e a esperança do reencontro, ela começa a escrever uma carta para a filha, revisitando o passado de ambas, onde as cenas vão se encaixando e construindo sentidos para o espectador, que também quer entender o que está por trás do desaparecimento da jovem. Afinal, o que levaria uma filha a abandonar uma mãe tão fragilizada e sumir no mundo sem explicações?

arton4596

Nas cores fortes de Almodóvar, somos levados a entrar no túnel da angústia de Julieta, em sua busca desesperada de motivos, entendendo como os erros cometidos na vida podem gerar traumas não superados, levando a outros erros. A história nos traz a inexorabilidade do tempo com suas perdas e danos. É um filme que fala sobre culpa, arrependimentos e a necessidade do auto-perdão, mostrando isso através da dor extrema de uma mãe.

Vai agradar ao público cativo do diretor, mas também a todos que gostam de um drama bem realizado, que impacta e leva a uma reflexão sobre o mistério e a fragilidade da vida. É filme humano, demasiadamente humano.

Confira o trailer no link: 

Julieta será lançado dia 19/10 em DVD e já está em pré-venda na ewmix_logo

Texto: Thais Guimarães

Comente este artigo